1 2 3 4 5

Cirurgia do Refluxo Gastroesofágico

 

O esôfago é um órgão que leva o alimento da boca para o estômago através de contrações musculares. Na parte inferior do esôfago há um músculo chamado esfincta inferior do esôfago (EIE). O EIE permanece contraído enquanto a pessoa não se alimenta. Durante a alimentação ou ingestão de liquido, o EIE relaxa permitindo a passagem dos alimentos e líquidos para o esôfago. Esta ação previne que haja subida para o esôfago do ácido do estômago e suas enzimas, causando sintomas e inflamação no esôfago.

Doença do refluxo Gastroesofágico (DRGE)

O DRGE ocorre quando há excesso de refluxo ácido do estômago para o esôfago causado pela fraqueza do EIE. A maioria das pessoas tem azia uma ou outra vez, freqüentemente após comer em grande volume. Entretanto, quando o ácido refluir de forma prolongada e freqüente na parte inferior do esôfago, pode causar inflamação, ulceração, estreitamento e após um longo período pode ocorrer câncer do esôfago. Algumas pessoas tem sintomas severos sem nenhuma alteração do esôfago, enquanto outros podem ter poucos sintomas e muita alteração no esôfago. É conhecido que o refluxo é agravado por uma refeição em grande quantidade, cigarro, alimentos gordurosos, obesidade e deitar numa posição plana. Os sintomas podem ser reduzidos, mudando-se o estilo de vida e evitando os fatores acima descritos. Atualmente existe medicação bastante eficiente da doença do refluxo. Quando o tratamento não funciona, é especialmente em pacientes jovens, o tratamento cirúrgico é uma boa opção.

Cirurgia por via Laparoscópica

A cirurgia consiste em envolver a parte inferior do esôfago com o próprio estômago. A cirurgia é feita sob anestesia geral. Então o abdômen é insuflado com CO2 (gás carbônico é inofensivo). É inserido uma micro câmera através de 1 dos 5 pontos de incisão (1 cm). Estas incisões são feitas no abdômen em região acima do umbigo por onde serão colocados os instrumentos. Durante a cirurgia o esôfago é envolvido pelo estômago e são dados pontos para a fixação entre eles. Esta técnica estabelece a pressão normal do EIE e previne o refluxo do ácido para dentro do esôfago. O paciente inicia a alimentação liquida no dia seguinte e a alta hospitalar é precoce. Habitualmente o retorno ao trabalho ocorre dentro de 1 semana. Uma dieta leve é recomendada por 1 ou 2 semanas. A dor é maior nas primeiras horas após a cirurgia, diminuindo gradualmente.

Quais são os benefícios ?

O principal beneficio é a eliminação ou a melhora da azia sem a necessidade ao uso regular de medicação. Evita-se o risco estreitamento (estenose) do esôfago. As incisões são mínimas e pouco dolorosas. A internação hospitalar é breve e a recuperação é rápida. Há um menor custo hospitalar, comparado com a antiga cirurgia aberta e desde que o paciente pode retornar mais rapidamente ao trabalho, há menos perda de rendimento.

Quais são as complicações ?

Sempre há um risco (muito baixo) com a anestesia geral em qualquer tipo de cirurgia. Mesmo que mínimo a possibilidade de hemorragia interna ou infecção pode ocorrer. Na fase inicial pode haver engasgo com alimentos e dificuldade para arrotar. Em certas circunstâncias, por exemplo, em cirurgia abdominal prévia, algumas vezes é impossível fazer por via laparoscópica, sendo necessário à cirurgia aberta.

Há outras opções de tratamento ?

A 1ª alternativa é a medicação para reduzir a acidez no estômago. Aqueles pacientes em que o tratamento é ineficaz ou quando o paciente não deseja tomar a medicação por um longo período de tempo, a cirurgia é indicada.

Quais são as contra-indicações da cirurgia ?

-

Gravidez
- Lesão pré-cancerosa ou câncer de esôfago
- Extrema obesidade

Resumo

O refluxo ácido para o esôfago com inflamação e úlceras é um problema relativamente com medidas gerais como o uso de medicamentos e modificação na dieta pode controlar muitos casos. Nos casos severos onde a medicação falha, a cirurgia laparoscópica pode ser a melhor maneira para corrigir o problema e evitar-se à volta do refluxo.