1 2 3 4 5 6 7

Impedâncio–pHmetria esofágica prolongada

A doença do Refluxo Gastro-Esofágico tem desafiado a comunidade médica nos últimos anos. Não se sabe bem o motivo, mas esta afecção vem aumentando gradativamente a ponto de se tornar a queixa mais frequente nos consultórios de gastroenterologia. Não bastasse isso esta doença pode apresentar-se deinúmeras maneiras ou seja com queixas digestivas variadas, queixas otorrinolaringológicas, pneumológicas e até simulando doenças cardiológicas.

O seu diagnóstico tem evoluído muito nos últimos anos com a introdução da phmetria esofágica de 24 horas. No entanto este método mostrou-se limitado, uma vez que, só detecta refluxo ácido e existem outros tipos de refluxos.Por outro lado este mesmo refluxo ácido pode não ser detectado no período pós prandial, pelo fato que o tamponamento do suco gástrico pelo alimento pode tornar este período um ponto cego no diagnóstico. Com a ampla utilização de medicamentos chamados de anti-secretores ou inibidores da bomba de prótons (omeprazol), surgiram então, um grupo de pacientes refratários a medicação ou seja pessoas que não respondem ao tratamento habitual. Isto deve-se a inúmeras causas ou seja outras formas ou tipos de refluxos, distúrbios funcionais do esôfago, o chamado esôfago sensível e causas psicossomáticas. Para preencher esta lacuna diagnóstica, desenvolveu-se a impedancio-phmetria esofágica. Foi introduzida exatamente para auxiliar no diagnóstico nesses casos, de refluxos “não ácidos” ou “fracamente ácidos” e distúrbios funcionais. Portanto, é um método diagnóstico que representa um progresso em relação à phmetria esofágica convencional e atualmente é considerado como um exame mais avançado e preciso na detecção da DRGE.

Realização do exame

A realização é semelhante a pHmetria. Vide esta seção.